30
nov

O jurídico corporativo agora é setor estratégico

Painel aponta mudanças importantes no perfil do profissional requisitado por esse mercado

De área de suporte das empresas, trabalhando quase sempre sob demanda da diretoria, o departamento jurídico tem agora um novo status: é um setor estratégico, alinhado às metas e métricas do negócio e com um papel decisivo na governança corporativa. Por isso, mudou também o perfil dos profissionais que o mercado requisita. “Os advogados devem atuar como parceiros do negócio. Não basta mais elencar os riscos. É preciso posicionar-se sobre os caminhos que a empresa deve seguir”, diz a advogada Ana Karam, doutora em Direito pela USP e diretora da Escola de Direito da CEU-IICS, de São Paulo.

Ela esteve em Curitiba para falar sobre o tema durante o painel Gestão de Departamentos Jurídicos e Governança Corporativa, organizado pelo escritório CMT Advogados. Mais duas profissionais abordaram o novo momento do jurídico corporativo: a advogada Vanessa Castilho, gerente jurídica da Enaex Britanite e membro do Jurídico de Saias, um coletivo de mulheres em cargos de liderança na área, e a consultora Viviane Doelman, especializada em processos de implantação e revisão de governança corporativa, e sócia da 3G Consultoria – Governança, Gestão e Gente.

“Precisamos conhecer nosso cliente a partir do business, e não a partir da lei”, afirmou Ana Karam, enumerando conhecimentos importantes sobre o cliente que devem estar sob domínio dos advogados, como seus valores, concorrentes e planejamento estratégico.

Viviane Doelman chamou a atenção sobre a importância das ferramentas da governança corporativa para a longevidade das empresas, à medida em que reduzem os riscos do ambiente de negócios e agregam práticas capazes de garantir a remuneração e a sustentabilidade da companhia. Uma boa governança exige o alinhamento do jurídico – interno ou externo – com as metas da empresa e com seus dirigentes.

Esse é o momento, diz ela, em que os profissionais do direito devem deixar de ser “jurídicos” dentro das empresas para se tornarem “executivos”. Apesar de a formação em direito não ser absolutamente um pré-requisito para atuar na governança, ter esta visão é um facilitador. “Os advogados vêm aparelhados com um conjunto de conhecimentos que todo profissional de governança precisa ter. Mais do que ninguém, eles podem se preparar para trabalhar com risco calculado, desenvolvendo uma visão holística do negócio, atuando de forma multidisciplinar para entender o marketing, a logística, a operação e as finanças, e agir como ente desse contexto”, diz ela, que alerta para a grande oportunidade de trabalho aberta para os profissionais do setor.

A gerente jurídica da Enaex Britanite, Vanessa Castilho, contou como o setor que chefia enfrenta o desafio de olhar além das necessidades legais do dia a dia da empresa. Os advogados têm feito cursos de gestão em diferentes abordagens e o setor adota ferramentas típicas de áreas ligadas a outras áreas, como operação e financeiro. O resultado são ganhos de agilidade, eficiência e fluxo que ajudam a reduzir custos e tornar a empresa mais eficiente.

Sobre a 3G Consultoria – Governança, Gestão e Gente

A 3G Consultoria trabalha junto a acionistas, famílias, Conselhos e Diretoria Executiva das empresas. Oferece serviços que criam condições para a longevidade e saúde dos negócios, ajudando-as a construir um adequado ambiente organizacional e resultados mais sólidos, consistentes e duradouros. As soluções e serviços oferecidos respeitam o momento e as características de cada empresa, alinhando as partes na adoção das melhores práticas de Governança Corporativa e buscando assegurar o alto desempenho. Saiba mais em www.3gconsultoria.com.br.



« Voltar

14
dez

Nova modalidade de leilão permite vender e comprar carros sem intermediação

Modelo de leilão extrajudicial é inédito no Brasil e será lançado em Curitiba

+MAIS

14
dez

Leilão de obras de arte traz quadros do catarinense Luiz de Souza e da paranaense Eliane Prolik

Leilão ocorre nesta sexta-feira e ainda oferece quadros do espanhol Alejandro Díaz Grova; no total, as obras somam mais de R$ 60 milhões

+MAIS

12
dez

Instituto de Direito Tributário comemora 50 anos

+MAIS

12
dez

Lovato Móveis apresenta coleção em Curitiba

+MAIS